28 de jul de 2008

O nascimento do rock

Não adianta falar muito dos personagens do rock se não entendermos o seu contexto cultural. E para isso, devemos também conhecer sua origem e suas influências.

O rock não nasceu de vez. Não foi inventado por uma pessoa. Não tem data de nascimento. Na verdade, o rock já existia antes de se chamar rock.

Tudo isso começou bem antes, quando os descendentes dos escravos do sul dos EUA faziam suas músicas tristes para descrever sua vida sofrida. A esse estilo musical, composto de musicas melodiosas com base no violão e de notas longas, deu se o nome de blues (blue=triste em inglês). Quando surgiu o blues? Talvez no final do século XIX ou no início do século XX. Ou talvez seja uma adaptação às músicas dos escravos à língua inglesa. O importante é que o blues, a partir dos anos 20 e 30, começou a abordar também temas não tão tristes. A melodia que era lenta e lamuriosa passou a ser também animada e dançante. Tudo isso com a mesma base musical. Esse novo estilo de blues que era essencialmente da cultura negra, conquistou o público jovem branco e tornou-se uma febre por volta dos anos 40: Buddy Guy, Buddy Holy, Muddy Waters, Eike Turner, Little Richard, Jerry Lee Lewis, Elvis Presley.


Buddy Guy

Também nos anos 40, alguém falou que esse som era como "pedra rolando" (rock in roll). Mesmo depois de batizado, e até muito tempo depois disso, o rock não se separou do blues. Até hoje é difícil, em algumas músicas, dizer se é rock ou blues. É difícil separá-los porque eles têm uma relação muito estreita.

Esquema mostrando que não se pode separar completamente o rock do blues: apesar de ser fácil reconhecer os extremos de cada um, é difícil se classificar quem está mais próximo do centro

Nos anos 60, a música pop (exp.: The Beatles), que nada mais é que uma versão menos barulhenta do rock, fez mudar a cara do rock. Outras influências ainda apareceram, como a música folclórica americana (folk, exp.: Bob Dylan), a música country (Johnny Cash), o jazz (Ray Charles), o rhythm'n blues (Stevie Wonder), o ska e rockabbily (Elvis Presley) e rocksteady. O fato é que o rock é uma grande mistura de estilos. Outras bandas que tocavam rock/blues eram The Yardbirds, Jimi Hendrix Expericence, Janis Joplin, Rolling Stones, Cream e The Beatles.


Bob Dylan

Mas por muito tempo houve uma separação entre rock e pop. Musicalmente eles diferem entre si porque o pop é feito para ter mais apelo popular e por querer agradar a todos perde personalidade. O rock puro não quer agradar a ninguém além da banda e costuma ter pouco apelo popular, mas com grande personalidade. Na realidade, você pode encontrar pop com personalidade e qualidade musical, mas com toda a característica pop; do mesmo modo você pode encontrar rock sem personalidade e de péssima qualidade. O importante é que não se pode separá-los musicalmente e muitas vezes fica confuso classificar alguma banda ou artista. Por exemplo os Beatles muitas músicas pop, mas também deixaram uma grande marca no rock com muitas músicas geniais e criativas e suas diferentes fases.

Por volta dos anos 70, o rock ganha muita personalidade e se torna livre do blues enquanto estilo. Não totalmente livre, pois ainda existem artistas que ficam na fronteira entre os estilos. Mas nessa época é possível ouvir músicas e falar: isso definitivamente é rock. Surgiu o heavy metal com o Led Zeppelin (originalmente uma banda de blues) e também surgiu o rock progressivo do Pink Floyd. Esses dois ramos do rock tinha em comum que se tornaram muito parecidos com a música clássica em termo de complexidade. E passaram, com o tempo, a serem tão chatos quanto a música clássica. No final dos anos 70 passaram a não atrar mais os jovens, mas um público adulto.


Jimmy Page, guitarrista e líder do Led Zeppelin

No fim dos anos 70 e início dos 80 surge o punk rock. Na verdade já existia, mas não tinha nome. As coisas só ganham nome quando muita gente se interessa. O punk era a coisa mais tosca musicalmente falando. Mas não era chato como as alternativas e também foi abraçado pelos jovens e por um movimento anarquista meio sem sentido que surgiu na Inglaterra (The Ramones, The Clash, Sex Pistols). Paralelo a isso surgiam a música eletrônica, o rap e o rock new wave (que era uma mistura de pop com música eletrônica. Exp.: Duran Duran).


Sex Pistols: anarquia e merchandising no punk

Nos anos 90 o punk atinge a saturação e surgem novidades como o grunge, que era fruto do refinamento do punk com influências no heavy metal e folk: Nirvana, Alice in Chains, Soundgarden, Pearl Jam e Silverchair.

Além disso o rap se funde com o rhythm'n blues, gerando o hip hop e deixando a esfera do rock para se tornar um estilo independente (que as vezes se mistura com o rock de novo). No anos 90 ainda a música eletrônica também se distancia do rock enquanto gênero e cria vários subgêneros. A música pop se utilizou muito das técnicas eletrônicas para desenvolverem batidas que atraíam o público jovem e também se distanciou mais do rock, se aproximando demais do hip hop. Surgiu o nu metal (ou new metal) que nada mais é do que uma versão menos chata do heavy metal, com maior apelo mercadológico: Red Hot Chilli Peppers, Janes Addiction, Limp Bizkit, Korn.


Nirvana: Kurt Cobain, Nico Novoselic e Dave Grohl

Os anos 2000 prevalesceram novos estilos musicais e artistas novos que se inspiraram nos anos 70 com um som mais atualizado. Esse novo rock é extremamente difícil de classificar, mas apresenta uma ótima qualidade: The Strokes, Kaiser Chiefs, The Verve, Franz Ferdinand. Por outro lado, fruto do punk, que tradicionalmente tinha letras revoltadas contra o sistema, surge o emocore (emo de emocional e core=profundo, algo como profundamente emotivo), que é o punk com letras extremamente melosas. Como tem muito apelo comercial, as músicas têm sua qualidade comprometida. Não pelo tema emotivo, pois existem milhões de boas canções com o mesmo tema, mas pela qualidade musical muito inferior a qualquer outro tipo de rock que já existiu. As bandas conhecidas são My Chemical Romance, Green Day (em sua fase mais recente), Panic! at the Disco e Fall Out Boy. Muitos artistas dos anos 70 e 80 estão retomando suas carreiras baseados na sua discografia e retomando trabalhos clássicos.


Fall Out Boy e visual emo

2 comentários:

Melpomene disse...

Nem dá tempo de ler o post todo...masssss pelo contexto esse deveria ter sido o primeiro post né ?

;P

huihiuhuihui

besus.

Leone disse...

Mas tu não sabe o trabalho que deu escrever isso tudo

¬¬

beeeju gordinha